Exportações de vinhos do Alentejo para o Brasil duplicam em quatro anos

Segundo a Comissão Vitivinícola Regional do Alentejo, o Brasil ocupa o primeiríssimo lugar das exportações dos vinhos do Alentejo e, em 2019, foi responsável por um pouco mais de 20% do valor total vendido no estrangeiro.

 

“Nos últimos quatro anos, de 2016 a 2019, duplicámos as exportações em valor para o Brasil, assim como vendemos um pouco mais em volume”, revelou hoje à Lusa Maria Amélia Vaz da Silva, da CVRA.

Aludindo aos dados mais recentes divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a mesma responsável, que tem a seu cargo o mercado do Brasil na CVRA, indicou que, no ano passado, o Alentejo vendeu “à volta de 12,5 milhões de euros” de vinho para aquele país.

“O Brasil ocupa o primeiríssimo lugar das exportações dos vinhos do Alentejo e, em 2019, foi responsável por um pouco mais de 20% do valor total” das vendas no estrangeiro, destacou.

Já em termos de volume, em que o Brasil “também ocupa o primeiro lugar” do ranking das exportações, em 2019 saíram “2,6 milhões de litros” de vinho da região para território brasileiro, adiantou. “É um valor considerável, é uma boa percentagem das nossas exportações em termos de volume, cerca de 15%”, afirmou, sublinhando que estas vendas em volume no Brasil, no ano passado, representam “quase o dobro” das registadas no país que ficou em 2.º lugar, a Polónia.

Para Maria Amélia Vaz da Silva, a evolução das exportações, nos últimos quatro anos, significa que o Alentejo está “a vender um pouco mais em volume, mas sobretudo a vender muito melhor”. “Os produtores estão a ganhar confiança, as exportações estão a ser consolidadas e mesmo da parte do consumidor há hoje maior conhecimento em relação aos vinhos portugueses, o que também permite que os preços possam subir um pouco”, porque antes estavam “baixos em comparação com países como a França ou Espanha”, e “é isso que tem vindo a acontecer”, argumentou.

 

No Brasil, “há um trabalho que tem vindo a ser feito pelos produtores e pelos importadores e há um gosto do povo brasileiro pelos vinhos do Alentejo, até porque a gastronomia acaba por ser parecida na maioria dos estados, o que constitui uma mais-valia para o consumo deste produto desta região portuguesa”, vincou.

Refira-se que até amanhã, 14 de fevereiro, em Évora, após uma prova escrita e outra prática, vai ser eleito o vencedor do concurso “O Melhor Sommelier Vinhos do Alentejo no Brasil”, promovido anualmente pela CVRA. Ao longo desta semana, os oito sommeliers brasileiros finalistas desta iniciativa, que vai na 7.ª edição, têm estado na região a participar em sessões de formação, visitas e provas de vinho em diversas herdades e adegas e contactos com produtores e enólogos.

“O mercado brasileiro mantém-se como prioritário para nós, sobretudo ao nível das exportações, e, por isso, esta iniciativa permite ter os melhores embaixadores dos vinhos do Alentejo num país de grande dimensão como é o Brasil”, realçou o presidente da CVRA, Francisco Mateus.

As exportações dos Vinhos do Alentejo seguem para mais de 75 países. Em valor, os primeiros cinco países são Brasil, Suíça, Angola, Estados Unidos e Polónia. Em volume, atrás do Brasil, surgem a Polónia, Estados Unidos, Angola e França, revelou à Lusa Maria Amélia Vaz da Silva.