Mais 16 novos doentes com o vírus no distrito de Setúbal

Almada, Seixal e Barreiro são os concelhos mais afetados no distrito, que contabiliza 906 doentes. A reabertura de creches, dentro de uma semana, poderá trazer problemas para fazer cumprir regras.

O número de doentes com Covid-19 continua a aumentar no distrito de Setúbal. Hoje, conforme diz o relatório de situação da Direção Geral de Saúde (DGS) e os dados das autarquias são já 906, mais 16 do que na véspera.

Com o Governo a querer dar hipóteses de as industriais e comerciantes recuperarem dos enormes prejuízos financeiros, autorizando a paulatina reabertura de empresas e estabelecimentos, crescem, no entanto, as probabilidades de aumento do contágio.

Essa preocupação vai estender-se, dentro de uma semana, às creches e restaurantes. No primeiro caso subsistem imensas dúvidas acerca da viabilidade de algumas determinações legais. Educadores de infância e pessoal auxiliar dizem que não será possível aplicar a crianças de dois e três anos de idade regras como o distanciamento social ou, até, a não partilha de brinquedos.

A DGS diz ainda que as refeições nas creches devem ser efetuadas por turnos. Outras medidas já anunciadas dizem que os pais, quando vão entregar ou buscar as crianças, devem ficar à porta. A porta é também o local onde os alunos devem trocar de calçado e vestuário. A partir do momento em que entram na creche, deve-lhes ser feita a medição da temperatura.

O Estado espera que, para a semana, apenas um quarto das crianças inscritas nas mais de 2000 creches do país compareçam nas mesmas. Até lá, devem realizar-se os testes de despistagem do vírus aos 29 mil educadores e auxiliares.

Voltando aos números por concelhos, no distrito de Setúbal, tudo permanece na mesma ordem verificada nos mais de dois meses de relatórios diários da DGS. Almada (cujo município refere já ter oito mortes) continua a ser a localidade mais flagelada, com 270 casos. Seguem-se o Seixal, com 191, o Barreiro, com 138, e a Moita, com 94.

A DGS diz ainda que existem 81 casos positivos no Montijo, 67 em Setúbal, 23 em Sesimbra, 20 em Palmela e 16 em Alcochete.

Nos concelhos do Litoral Alentejano integrados no distrito, a DGS refere que existem cinco casos em Alcácer do Sal, dez em Grândola e 154 em Santiago do Cacém. As câmaras municipais dizem, por sua vez, que não existem doentes, mas apenas cinco recuperados em Alcácer do Sal, quatro doentes ativos, nove recuperados e 11 pessoas sob vigilância em Grândola e, por fim, dois doentes efetivos e 12 recuperados em Santiago do Cacém.

Os números relativos ao país dizem, entretanto, que já há 1135 mortes (mais nove do que ontem) e que o número de infetados é de 27.581. Existem 2549 pessoas recuperadas e 797 internadas, sendo que 112 estão em unidades de cuidados intensivos.

Por regiões, contam-se 15.952 doentes e 648 mortes no Norte. No Centro há 3581 casos positivos e 216 falecimentos. Em Lisboa e Vale do Tejo o número de doentes é 7242 e os falecimentos são 243. No Alentejo mantém-se os 235 infetados e um morto. No Algarve as estatísticas referem 346 doentes e 13 vítimas mortais. Já nos Açores os óbitos são 14 e os pacientes 135. Por fim, na Madeira, não há mortes a lamentar e apenas 90 casos positivos.