CER-UÉ integra plataforma europeia de tecnologia e inovação

A Cátedra Energias Renováveis da Universidade de Évora (CER-UÉ) passou a integrar uma plataforma tecnológica e inovadora da Comissão Europeia que pretende desenvolver “uma cadeia de valor de baterias inovadora, competitiva e sustentável”.

Segundo a UÉ, a plataforma denominada “Batteries Europe”, está inserida na Aliança Europeia para Baterias (EBA, na sigla em inglês), lançada em 2017 e que junta o executivo comunitário, com a União Europeia e fabricantes de automóveis.

A Catédra Energias Renováveis da Universidade de Évora (CER-UÉ) é a entidade académica alentejana que passa a integrar a plataforma “Batteries Europe”, após ter sido aprovada a sua candidatura, avançou a instituição eborense.

Esta é uma plataforma que visa “desenvolver uma cadeia de valor de baterias inovadora, competitiva e sustentável, como componente estratégica da transição verde e digital da Europa”, indicou a UÉ em nota de imprensa.

“A principal área de colaboração” desta cátedra académica que é representada pelo investigador Luís Fialho, está “inserida no Grupo Temático 6, que se foca na aplicação e integração de baterias estacionárias”, acrescentou a instituição e destacando ainda que estes trabalhos de peritos incluem “a identificação de necessidades tecnológicas para sistemas de armazenamento estacionário eficientes e a exploração do papel das baterias para aplicações estacionárias”.

As “baterias de segunda vida e reciclagem, estudo de modelos de negócio para o setor ou a hibridização de tecnologias de armazenamento de energia” são outras das tarefas desenvolvidas pelo grupo de trabalho.

Com a aprovação da candidatura que a CER-UÉ apresentou, “passamos a acompanhar os trabalhos e reuniões desta plataforma, de forma a potenciar os contributos para o setor e aprofundar a I&D que detém nesta área”, sublinha o investigador Luís Fialho.

A plataforma “Batteries Europe” pretende, também, “acelerar o estabelecimento de uma indústria europeia de baterias, competitiva a nível mundial, de forma a impulsionar a implementação de ações de investigação e inovação na área das baterias”, adianta Luís Fialho, referindo-se ao Plano Estratégico da Tecnologia da Energia e da Agenda Estratégica de Investigação e Inovação em Transportes.

Criada em 2010, a CER-UÉ tem como missão “o desenvolvimento de soluções tecnológicas e aplicações da energia solar para a descarbonização de diferentes setores da economia: indústria e agricultura, geração elétrica, transportes ou comunidades”.

A Catédra, Lidera a  Infraestrutura Nacional de Investigação em Energia Solar de Concentração, que, em parceria com o Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), “visa o uso e desenvolvimento de tecnologias de concentração solar e de armazenamento de energia, de modo a potenciar o contributo da energia solar para a Transição Energética”, lê-se no mesmo comunicado de imprensa enviado ao Semmais.