Setúbal e Alcácer podem deixar de ficar a ‘ver passar comboios’

Há mais de dez anos que não param comboios na maioria das estações e apeadeiros da linha do Sul. Em Setúbal, o Intercidades para o Algarve também deixou de passar.

A reintrodução dos serviços regionais de passageiros na linha do Sul e a reposição do Intercidades em Setúbal para o Algarve pode estar para breve, após a supressão destes comboios há uma década. Esta possibilidade advém da proposta de resolução que o Partido Comunista Português (PCP) apresentou ao Governo e que reivindica a “reabertura do serviço regional e inter-regional de transporte ferroviário no Alentejo Litoral e distrito de Setúbal”.

Em dezembro de 2011, a CP desativou, após acordo com o Governo PSD/CDS, os oito comboios regionais diários de passageiros na linha do Sul e os seis Intercidades que, durante mais de 90 anos, passaram por Setúbal e faziam a ligação até ao Algarve.

Desde então, quem pretender viajar de Setúbal para o Algarve tem de ir ao Pinhal Novo para apanhar o Intercidades ou o Alfa Pendular, o que desincentiva o uso do transporte ferroviário. A autarquia sadina já manifestou o interesse em que seja reposto este serviço na cidade, através de uma moção apresentada na reunião do executivo de 7 de abril.

Ao Semmais, Manuel Pisco, vice-presidente da autarquia, diz haver “condições para fazer ver ao Governo que a reposição do serviço é viável”, até porque o fim da paragem destes comboios na cidade assumiu, na altura, uma maior gravidade perante as recentes obras de remodelação e modernização da estação ferroviária que representou um investimento na ordem dos 14 milhões de euros.

 

Presidente da CIMAL diz que linha apresenta boas condições

Já na linha do Sul, a estação de Alcácer do Sal é exemplo das que apenas vê o comboio de mercadorias passar. “Os municípios do Litoral Alentejano estão unidos com o propósito de ser retomada esta linha que foi suprimida, penalizando até hoje as populações”, disse ao Semmais o presidente da autarquia e também a CIMAL, Vítor Proença, garantindo que “a linha está eletrificada e que é uma linha boa”.

O autarca acrescentou, ainda, que “o comboio de passageiros é uma alternativa saudável para o ambiente e para as pessoas, que tinham mais mobilidade nos anos 60 e 70 do século passado do que agora”.

Perante esta realidade, a CP admitiu, ao Semmais, que “com a recuperação das locomotivas 2600 e das carruagens adquiridas a Espanha” volta a haver “condições para um serviço regional ou inter-regional no Alentejo” e capacidade para reformular a oferta dos comboios intercidades.

Quanto à passagem do intercidades por Setúbal, a transportadora diz que o serviço “retira competitividade à viagem Lisboa-Faro-Lisboa”, uma vez que o atual percurso pela concordância do Poceirão “é adequado”. Ainda assim, afirma, “faz sentido que a CP tenha um serviço inter-regional Lisboa-Faro-Lisboa que passe por Setúbal, à semelhança do que acontecia no passado”.