Vitória preparado para dura batalha da manutenção na Liga 3

Todos assumem fracasso da época, mas querem esquecer esse passado e dar tudo para não descer de divisão. Jogo com o Sporting B, este domingo, marca conjunto de finais para os sadinos, que nesta fase vão defrontar o FC Oliveira do Hospital e Real SC.

O Vitória FC, contra todas as expectativas, terá de lutar pela manutenção da Liga 3, depois de ter terminado em 9º lugar, com 23 pontos, a Série B, a primeira fase da competição, falhando o objetivo de ocupar um dos primeiros quatro lugares da classificação que o colocaria, pela terceira temporada consecutiva, na luta pela subida à Segunda Liga.

A classificação final determinou que defrontassem Sporting B, FC Oliveira do Hospital e Real SC, na Série 3 da Fase de Manutenção. O Vitória arranca com quatro pontos, mais dois que o Real SC, menos dois que o FC Oliveira do Hospital e menos quatro que o Sporting. Para garantir a manutenção, precisa de ficar num dos dois primeiros lugares deste grupo.

O plantel garante estar motivado e preparado para a difícil tarefa que começa já este domingo com a receção ao Sporting B, partida com início às 15h00. “Neste momento temos que nos focar naquele que é o objetivo real, que é garantir a manutenção o mais rápido possível, e temos de estar na máxima força para o conseguir”, diz ao Semmais João Freitas, defesa-central do Vitória.

Espera-se que todos os jogos sejam muito equilibrados e que todos tenham grande peso nas decisões até ao final da temporada. “A fase é muito curta e temos de manter a consistência. Pensar jogo a jogo, mas entrar sempre para ganhar. A começar já por este do Sporting, ainda por cima em nossa casa, temos de ganhar, não podemos fugir a isso, estamos no lugar onde não queremos estar”, sublinha o central.

Inconsistência também contribuiu para o fracasso

O fracasso na temporada foi admitido por toda a estrutura vitoriana e os jogadores procuram não fugir aos resultados menos conseguidos. “Os objetivos eram bem claros no início da temporada e as coisas não correram como queríamos. A grandeza do Vitória não coincidiu com os resultados que obtivemos, temos de assumir isso”, sublinha João Freitas.

Os jogos do Vitória FC foram uma autêntica montanha russa de emoções, para o bem e para o mal, resultando em 31 golos marcados e 42 sofridos. “Não tivemos a consistência que queríamos e precisávamos ter. Efetivamente o fator psicológico teve influência em vários momentos da temporada e, infelizmente, acabámos por ter derrotas, por exemplo, em jogos em que estávamos bem e a ganhar e depois o adversário superiorizava-se”, aponta o central.

Carlos Silva reeleito na presidência

Carlos Silva, presidente da direção do emblema sadino desde dezembro de 2020, foi reconduzido no passado domingo no cargo, com os votos de 355 sócios, num ato eleitoral, de uma única lista, que pretendia eleger os corpos sociais para o mandato 2023- 2025. “Queremos trabalhar para consolidar as finanças do clube, garantindo a sua estabilidade e viabilidade a longo prazo. Sabemos que a tarefa não será fácil, mas acreditamos que, com trabalho, dedicação e um planeamento rigoroso, conseguiremos aumentar as nossas receitas e diminuir as despesas”, disse o jurista de 64 anos na tomada de posse dos órgãos sociais.