Governo autoriza construção do novo Centro de Saúde de Vidigueira

O Governo autorizou a Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) a avançar com a construção do novo Centro de Saúde de Vidigueira, num investimento superior a 1,6 milhões de euros.

 

Em comunicado, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo de nota de que o Ministério da Saúde “validou”, na passada quinta-feira, “a necessária autorização para a ULSBA avançar com a construção do novo Centro de Saúde de Vidigueira num terreno cedido pelo município”.

Segundo a ARS, com a autorização, que “confirma a programação plurianual da respetiva despesa com publicação em Diário da República, fica mais próxima a concretização de um novo e importante equipamento de saúde no Baixo Alentejo para permitir criar melhores condições de trabalho para profissionais e melhorar o acesso e a qualidade dos cuidados de saúde prestados a cerca de 6.000 habitantes”.

Contactada pela Lusa, a presidente do conselho de administração da ULSBA, Conceição Margalha, disse que a instituição ainda não recebeu oficialmente a autorização do Ministério da Saúde.

Conceição Margalha explicou que precisa de receber e ter a autorização para a enviar o processo que já está a decorrer no Tribunal de Contas com vista à obtenção do visto desta entidade que “é necessário para a obra poder avançar”.

A mesma responsável afirmou que espera que a empreitada, adjudicada em outubro de 2019 e que vai implicar um investimento de 1.689.679 euros, comece “o mais tardar no início do segundo semestre” deste ano.

Também em declarações à Lusa, o presidente da Câmara de Vidigueira, Rui Raposo, congratulou-se com a autorização do Governo, frisando que a construção do novo centro de saúde é “uma revindicação da população e do município, para melhorar as condições de prestação de cuidados de saúde no concelho”.

Rui Raposo lembrou que a autarquia cedeu o terreno e tem colaborado com a ULSBA no desenvolvimento do projeto para construção do novo centro de saúde. Segundo a ARS, a nova unidade vai ser construída num terreno com cerca de mil metros quadrados e ter 17 gabinetes, sendo oito médicos, seis de enfermagem e três para outros fins.

Além de serviços de saúde pública, o novo equipamento irá disponibilizar consultas de psicologia, nutrição e saúde materna, cuidados de fisioterapia e saúde oral e serviço social.