Plenários dos trabalhadores da Transtejo e Soflusa levam a supressões no serviço

A travessia fluvial no rio Tejo, realizada pela Transtejo e Soflusa, vai ter constrangimentos na quarta-feira e na quinta-feira devido a plenários dos trabalhadores que reivindicam uma valorização salarial e a contratação de mais profissionais.

Na quarta-feira, os trabalhadores da Transtejo reúnem-se em plenário entre as 14h30 e as 17h30, afetando as ligações entre o Cais do Sodré e Cacilhas, Montijo e Seixal, assim como a da Trafaria-Porto Brandão-Belém.

Para quinta-feira está prevista uma paragem entre as 13h55 e as 15h55 devido a um plenário dos trabalhadores da Soflusa, interrompendo as ligações entre o Barreiro e Lisboa.

Os trabalhadores têm vindo a desenvolver várias formas de luta, entre as quais uma greve de 11 a 13 de junho, pela valorização salarial e contratação de funcionários.

A greve foi convocada pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) em resposta à proposta da administração, sob orientações do Governo, de 0,9% de aumentos salariais quando se verifica um aumento do custo de vida e quando a inflação se situa nos 7,2%.

Além da questão salarial, os trabalhadores da Soflusa exigem também a contratação de trabalhadores.

Em declarações à agência Lusa, o dirigente da Fectrans Carlos Costa explicou que não houve qualquer evolução desde essa greve, mantendo-se assim as reivindicações.

Segundo o dirigente sindical, os plenários agora marcados visam aferir que outras ações de luta podem vir a ser desenvolvidas pelos trabalhadores.

A Transtejo e a Soflusa têm a mesma administração e ambas asseguram as ligações fluviais entre a margem sul e Lisboa, sendo a Transtejo responsável pela ligação do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, no distrito de Setúbal, a Lisboa, enquanto a Soflusa faz a travessia entre o Barreiro, também no distrito de Setúbal, e o Terreiro do Paço, em Lisboa.