Empresa voluntaria-se na impressão 3D de viseiras em Setúbal

O surto de coronavírus tem gerado diversas situações em que munícipes e empresas tomam a iniciativa de ajudar pessoal médico e unidades de saúde no combate à pandemia.

“Não ganhamos nada com isto. Simplesmente, readaptamo-nos. A produção das viseiras vai aumentando de dia para dia, à medida das necessidades”, afirma Luís Fialho, da start-up portuguesa FAN 3D, que, em termos nacionais, já produziu mais de duas mil viseiras com recurso a impressão a três dimensões.

Desde 4 de abril que a empresa fabrica as viseiras num dos edifícios do Parque Municipal de Poçoilos, depois de uma cedência de instalações pela Câmara Municipal de Setúbal, mas a iniciativa começou quando o responsável desta empresa, Eurico Assunção, falou com uma vizinha enfermeira, que lhe disse que não tinham equipamento.

Eurico Assunção, Luís Fialho e David Barbosa vivem em Setúbal, são engenheiros mecânicos e trabalham na FAN 3D, empresa especializada em consultadoria de engenharia e que presta apoio para a indústria nas melhores práticas da impressão a três dimensões. A empresa e os colaboradores saíram do nicho de mercado habitual, agarraram nas impressoras 3D que têm à disposição, e colocaram-nas ao serviço da segurança com a fabricação de viseiras de proteção para os profissionais de saúde.

“As viseiras foram testadas e validadas pelos profissionais de saúde e são reutilizáveis, o que quer dizer que podem ser esterilizadas”, assegura Luís Fialho.