Sobe para 50 os casos em Santiago do Cacém, onde o ano letivo arranca faseado com 38 docentes em quarentena

O número de casos de covid-19 no concelho de Santiago do Cacém subiu para 50, após quatro novos testes positivos, e o arranque do ano letivo no agrupamento escolar será faseado porque 38 professores estão em quarentena.

O número total de infetados no concelho foi divulgado na terça-feira, ao final do dia, na página oficial do município, com base nos dados recentes divulgados pela autoridade de saúde local.

Em declarações à Lusa, o diretor do Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém, Manuel Mourão avançou hoje que “o ano letivo vai abrir de forma faseada porque estão professores em quarentena depois de um docente ter testado positivo à Covid-19. Ontem (terça-feira) cerca de 25 professores fizeram o teste e hoje fazem mais 13 professores, porque houve contacto com o infetado”.

“Esperemos que mais nenhum (docente) esteja positivo, mas estes 38 professores têm de estar em quarentena, até ao próximo dia 24 de setembro”, revelou.

Já no sábado, o Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém tinha decidido adiar o início do ano letivo para os alunos do 1.º ciclo, que estava previsto para segunda-feira, 14 de setembro.

“Os alunos do 1.º ciclo da Escola Frei André da Veiga, em Santiago do Cacém, só começam as aulas na próxima segunda-feira, 21 de setembro, devido ao distanciamento que é necessário nas salas de aula. Com o tipo de equipamento, mesas e cadeiras, que existia na escola não era possível garantir esse distanciamento”, explicou.

Em conjunto com a Câmara Municipal de Santiago do Cacém “foi possível colocar novas mesas e cadeiras individuais para que seja possível o distanciamento entre esses alunos”, adiantou.

De acordo com o responsável, “o ano letivo abre amanhã (quinta-feira), dia 17 de setembro, para os alunos da educação pré-escolar, 2.º ciclo e 1.º ciclo de Santa Cruz”, em Santiago do Cacém.

Quanto ao 3.º ciclo e ao ensino secundário “só vão abrir no dia 24 de setembro quando terminar a quarentena dos 38 professores”, concluiu.

Este surto do novo coronavírus SARS-CoV-2 em Santiago do Cacém está relacionado com um outro que teve origem em Sines, detetado em 27 de agosto, que motivou rastreios também nos concelhos vizinhos de Alcácer do Sal e Grândola.

Designado pelas autoridades locais como “surto ‘Champions’”, este teve origem num grupo de pessoas com “grau de proximidade elevado” que se juntaram em Sines para assistir pela televisão à final da Liga dos Campeões de futebol e “ficaram contagiadas”, de acordo com a responsável da unidade local de saúde pública, Fernanda Santos.