Castelo de Alferce torna-se campo-escola para estudantes de arqueologia

A Universidade de Évora, o Campo Arqueológico de Mértola e o município de Monchique assinaram um acordo de cooperação para apoiar o estudo e valorização do Sítio Arqueológico do Cerro do Castelo de Alferce.

O objetivo é criar um campo-escola para estudantes de arqueologia do país e do resto da Europa, para que o Castelo de Alferce tenha “uma intervenção arqueológica mais consistente ao longo do tempo”. Simultaneamente, o acordo pretende reforçar a colaboração que já existia entre estas entidades nas escavações arqueológicas que têm estado a ser feitas naquele local.

Desta forma, no verão de 2021, ao invés de um mês de escavações, como aconteceu este ano, estão planeados dois meses.

Cláudio Torres, o ‘pai’ do Campo Arqueológico de Mértola, salientou que “a câmara de Monchique não pode pagar este projeto de arqueologia o tempo todo. Isto leva anos e anos a consolidar. Tem que se tentar tornar isto autossustentável, transformando-o, em simultâneo, num projeto de desenvolvimento”.

Depois de um mês de escavações arqueológicas numa zona das muralhas e na cisterna milenar, o arqueólogo municipal Fábio Capela anunciou que, para 2021, a intenção é a de “por a entrada do castelo e um troço de muralha a descoberto”. Adicionalmente, depois de “devidamente consolidada”, também a cisterna irá “ficar a descoberto” e será mais um elemento de interesse para os visitantes.

Os projetos da câmara, com o apoio do PADRE – Plano de Ação de Desenvolvimento de Recursos Endógenos – contemplam também a criação de um centro de interpretação da aldeia, de onde partirá então um percurso pedestre de cerca de dois quilómetros até ao cerro do castelo e às ruínas arqueológicas, que serão valorizadas.

O Sítio Arqueológico do Cerro do Castelo de Alferce, situado a cerca de dois quilómetros da aldeia, ocupa um total de 9,1 hectares no alto de um monte a 487 metros de altitude. Classificado como Sítio de Interesse Público em 2013, é considerado um elemento-chave para a revitalização da aldeia.