Evolução epidemiológica no distrito

Análise de Paulo Lourenço (até à data de 28 de dezembro)

A Incidência Cumulativa (IC) a 14 dias da COVID-19 no Distrito de Setúbal, comparativamente a 21 de dezembro apresenta a 28 de dezembro uma variação negativa da ordem dos -7%, encontrando-se a região na situação de risco elevado.

Os concelhos de Alcochete, Almada, Barreiro, Moita e Grândola constituem os territórios com maior IC, encontrando-se na situação de risco muito elevado.

Regista-se no concelho da Moita a maior IC de casos confirmados (649) e a menor em Sines (73).

No Litoral Alentejano são verificadas as maiores reduções de casos confirmados (-22%): Alcácer do Sal (-48%), Sines (-44%) e Santiago do Cacém (-13%).

Destaca-se na Península de Setúbal o maior aumento de casos no concelho de Alcochete (61 casos / 13%), tendo como resultado a mudança do nível de risco elevado para muito elevado (531 casos).

Da análise da evolução da IC no Distrito de Setúbal, entre 28 de outubro e 20 de dezembro (sete semanas) verificam-se comportamentos distintos da tendência do nº de casos confirmados.

Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo e Grândola apresentam tendência para o aumento de casos. Nos restantes concelhos registam-se tendências para a estabilidade e/ou redução da Incidência Cumulativa de casos confirmados a 14 dias.