Alcácer insiste com Direção-geral de Energia e Geologia e SIFUCEL para resolução de passivos ambientais

Decorreu terça-feira, no salão nobre dos Paços do Concelho, uma reunião promovida pelo executivo da câmara de Alcácer do Sal entre esta instituição, a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) e a empresa de exploração de inertes Sifucel.

No encontro no salão nobre dos Paços do Concelho, onde marcaram presença no encontro o presidente da autarquia, Vítor Proença, a subdiretora-geral da DGEG, Cristina Lourenço, o vereador Manuel Vítor de Jesus, o responsável pela empresa SIFUCEL e técnicos das três entidades, o município insistiu com a DGEG e Sifucel para resolução de passivos ambientais.

Vítor Proença colocou um conjunto de questões, tendo em conta as preocupações reveladas pelas populações de Albergaria do Sado e Castelo Ventoso, como para quando a recuperação do espaço ambiental da área não explorada, os alegados danos estruturais nas habitações, as poeiras e o transtorno causado pela passagem dos camiões de transporte de inertes perto das habitações.

O autarca, segundo um comunicado enviado à nossa redação, reiterou que as recuperações paisagísticas devem ser iniciadas o quanto antes e que “o município zela pelo cumprimento do que está legalmente instituído e a questão da recuperação é uma questão vital e deverá estar concluída até ao final do ano”. A subdiretora-geral da DGEG informou que a empresa irá realizar um estudo hidrogeológico, que irá abranger toda a área de exploração, até ao final de 2021.

De recordar que está a ser desenvolvida, em Castelo Ventoso, no concelho de Alcácer do Sal, a exploração de inertes que teve início há mais de uma década, pela empresa SIFUCEL-Grupo Parapedra, com quem o Estado, através da DGEG, tem estabelecido um contrato de concessão.