Grândola abre centro de acolhimento para resposta polivalente

O edifício fica preparado para funcionar também enquanto unidade de acolhimento às várias forças envolvidas no combate ao surto ou mesmo enquanto hospital de campanha.

A autarquia de Grândola adaptou um equipamento municipal para funcionar como centro de acolhimento, com capacidade para 100 pessoas – 40 quartos isolados e 60 em espaço comum, numa área total de 200m² -, que poderá ser adaptado a uma unidade de acolhimento militar, de forças de segurança e emergência, e até um hospital de campanha.

“Temos de estar preparados para tomar as medidas necessárias para enfrentar essa possibilidade e combater a pandemia que se encontra atualmente na fase de mitigação”, afirma António Figueira Mendes, presidente da Câmara Municipal de Grândola. Nesse sentido, o município equipou os pavilhões para dar uma resposta polivalente às necessidades, nomeadamente, com farmácia, espaço para logística e refeições, zona de triagem, e gabinetes médicos e de enfermagem.

Segundo o autarca, também estão “a ser preparados quatro centros comunitários para acolherem mais 64 pessoas”, com apoio de agentes económicos do concelho.

Esta iniciativa vem no seguimento de outra, tomada no último mês, em que a autarquia disponibilizou habitações municipais a profissionais de saúde e iniciou uma série de contactos com os alojamentos turísticos do concelho, de forma a integrá-los no plano de alojamento para os envolvidos no combate ao coronavírus.