Embraer em Évora continua a produzir com funcionários em teletrabalho

As duas fábricas de Évora da Embraer continuam em produção, apesar de a construtora aeronáutica ter trabalhadores em teletrabalho e outros em férias, como resposta à pandemia da covid-19.

“Não houve constrangimentos na produção” apesar da pandemia da covid-19, revelou Arlindo Duarte, diretor de Recursos Humanos da Embraer Portugal, em resposta a questões enviadas pela Lusa.

Outra fonte da Embraer, igualmente contactada pela agência, sublinhou que as duas fábricas em Évora, uma dedicada a estruturas metálicas e outra à produção de materiais compósitos, “continuam em produção”. “E estamos a implementar as mais variadas ações para proteger os trabalhadores do novo coronavírus”, de acordo com os planos de contingência implementados, frisou.

O diretor de Recursos Humanos da construtora aeronáutica brasileira em Portugal revelou também que, “até ao momento, não tem havido dificuldades no sistema de distribuição e transporte de componentes fabricados” na cidade alentejana.

O SITE SUL – Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul afirma que a Embraer está “a cumprir todas as condições de segurança nas fábricas de Évora”, adiantando que a empresa “aconselhou os trabalhadores a irem agora de férias, durante três semanas”.

“Não foi bem pressionar, mas convidaram os trabalhadores a ir de férias, desde segunda-feira desta semana. Nem todos foram, mas houve alguns que aceitaram, tanto numa fábrica como na outra”, disse fonte do SITE SUL.

O mesmo sindicalista afirmou que “as linhas de produção não estão paradas”, e que “outros trabalhadores, dos serviços em que tal é possível, estão em teletrabalho”.

Confrontadas pela Lusa sobre se houve alguma imposição da empresa para o gozo de férias antecipadas, as duas fontes da Embraer negaram. “A empresa não implementou o regime de férias coletivas. De momento, estamos a gerir os planos de férias de acordo com as necessidades dos trabalhadores e interesses da empresa”, avançou a empresa.

A empresa aeronáutica disse estar “a usar o teletrabalho em todos os setores que, pelo perfil das suas funções, o permitem”, mas não quantificou o total de funcionários em Évora nessa situação: “Esse número é mutável de acordo com as nossas necessidades”.

Questionada se admite recorrer ao regime de lay-off simplificado criado pelo Governo, a Embraer disse que está a acompanhar “de perto a evolução deste tema específico”. “E o evoluir da conjuntura do negócio irá determinar a nossa adesão ao mesmo e as suas respetivas condições de aplicação às nossas unidades”, acrescentou o diretor de Recursos Humanos da empresa em Portugal.