Almada e Seixal têm 813 dos 1543 casos positivos confirmados em todo o distrito

Continuam a aumentar os casos de Covid-19 no distrito de Setúbal. Hoje, dizem os dados da Direção Geral de Saúde (DGS) e das autarquias, são mais 24 casos do que na véspera, sendo agora o número total de casos positivos confirmados de 1543.

O aumento de casos no distrito de Setúbal é, de resto, acompanhado em grande parte dos restantes concelhos que constituem a Área Metropolitana de Lisboa (AML). Nesta zona (que compreende nove concelhos da margem Sul do Tejo), houve um acréscimo de 335 casos, o que corresponde a 91 por cento das situações recentes detetadas em todo o país.

Hoje é o dia em que os tribunais voltam a realizar sessões presenciais e em que regressam os jogos de futebol. Face aos previsíveis aumentos de circulação de pessoas, a DGS volta a salientar a importância de serem utilizados equipamento de proteção individual, de se manterem as distâncias de segurança, nomeadamente nos transportes público e, também, a necessidade de as pessoas não trocarem entre si objetos pessoais.

O regresso do futebol, mesmo que sem espetadores nas bancadas, é um dos motivos que pode gerar maiores ajuntamentos, sobretudo nos cafés e estabelecimentos similares, uma vez que são estes que, por norma, têm à disposição os canais televisivos pagos que transmitem os jogos e, por isso, chamam grande número de pessoas. As autoridades policiais estarão particularmente atentas às regras que ditam o distanciamento dos clientes e das mesas.

Os concelhos de Almada (408 casos) e Seixal (405) somam um total de 813 doentes, mais 83 do que os restantes concelhos do distrito que têm infetados. A explicação prende-se não só com a grande densidade populacional, mas também com a proximidade com Lisboa, onde grande parte da população se desloca diariamente para trabalhar. Depois, há ainda a considerar, conforme o dizem os técnicos da DGS, a existência de bolsas de pobreza traduzidas em bairros degradados e, em consequência, em maiores probabilidades de contágio.

Depois de Almada e Seixal, surge o Barreiro na listagem da DGS, com 233 casos positivos. Seguem-se a Moita, com 166, o Montijo, com 121, e Setúbal, com 107.

Nos concelhos de Sesimbra (40 casos), Palmela (37) e Alcochete (23) a situação é menos preocupante, mas, ainda assim, geradora de constantes avisos por parte das autoridades municipais, de saúde e de segurança.

Nos concelhos do Alentejo Litoral integrados no distrito de Setúbal, mantém-se as incongruências dos números apresentados pela DGS e pelas autarquias. A entidade estatal refere que existem hoje sete doentes em Alcácer do Sal, 11 em Grândola, 18 em Santiago do Cacém e três em Sines. Já a Câmara Municipal de Alcácer do sal diz que não tem doentes com o vírus ativo, mas apenas oito já recuperados. A autarquia de Santiago do Cacém refere zero doentes efetivos e 15 pessoas recuperadas. Em Grândola, de acordo com as estatísticas municipais, há três doentes confirmados, 13 recuperações e mais cinco pessoas a serem alvo de vigilância médica. Por fim, em Sines, os dados do município não referem qualquer doente ativo, mas apenas dois recuperados.

Por regiões, o Norte tem hoje 16.804 doentes e 796 mortes. O Centro conta com 3765 infetados e 240 falecimentos. Em Lisboa e Vale do Tejo os pacientes são 11.828 e os óbitos 380. No Alentejo não existem alterações, registando-se 260 doentes com Covid-19 e uma vítima mortal. O Algarve mantém os 15 falecimentos associados à doença e 376 casos de doentes. Nos Açores há igualmente 15 vítimas mortais e 138 doentes. Por fim, na Madeira, o número de infetados voltou a ser 90, não havendo registo de qualquer morte.

O país tem hoje 33.261 casos de doentes confirmados (um aumento de 366 casos e equivalente a mais 1,1 por cento face à véspera). Há 428 pessoas internadas, sendo que 56 estão em unidades de cuidados intensivos. O número de mortes associadas à pandemia subiu para 1447. No total já foram dadas como recuperadas 20.079 pessoas.