Alto Alentejo garante estar alerta às necessidades levantadas pela pandemia

Hugo Hilário, presidente da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA), afirma que até à data, as repostas às necessidades têm sido dadas, adiantando que espera que os hospitais de Elvas e Portalegre não colapsem.

A Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA) garantiu que se encontra a fazer um trabalho de concertação entre os diversos agentes da região, a fim de se encontrarem soluções que permitam um combate eficiente à pandemia.

Em declarações ao DN, Hugo Hilário, presidente da CIMAA garante que as medidas tomadas “não foram as ideais” até porque afirma que neste contexto “ninguém toma as medidas ideais”. O responsável assegurou ainda que a missão do CIMAA é continuar a acompanhar a trajetória de crescimento “que continuará a pôr a nossa região na rota do desenvolvimento”.

Hugo Hilário afirma que a CIMAA tem dado o seu contributo para que as respostas possam ser as melhores possíveis para a população do distrito, adiantando que espera que os hospitais de Elvas e Portalegre não colapsem. “Se isso acontecer, não estamos a falar de nada que seja, infelizmente, anormal, no contexto global”, assume o responsável. Quanto às condições do Hospital Dr. José Maria Grande, em Portalegre, Hugo Hilário afirma que, até então, as respostas às necessidades têm sido dadas, pelo que “as coisas estão, neste momento, normalizadas”.

O presidente acrescenta ainda que a CIMAA vai estar atento aos desenvolvimentos da pandemia derivados aos festejos de Natal e Ano Novo, que poderão “ter aqui algum impacto superior àquilo que temos tido em número de casos, de pessoas infetadas, no nosso território”.

O responsável relembra que, os 15 municípios que compõem a CIMAA, comparticiparam a aquisição de ventiladores para dois hospitais do distrito assegurando que nesta fase, tudo será feito para que “as respostas à população sejam as melhores”.