Navigator suspende vendas na Rússia e Bielorrússia

Empresa diz que está a acompanhar em permanência a evolução do conflito, monitorizando o seu impacto nos mercados onde atua, bem como em toda a cadeia de abastecimento.

A The Navigator Company anunciou que decidiu suspender, na semana passada, a comercialização dos seus produtos no mercado russo e bielorrusso. A posição da empresa, segundo um comunicado, surge na sequência da invasão da Ucrânia por parte da Rússia, com o apoio explícito da Bielorrússia, e vai prolongar-se por tempo indeterminado.

“A Navigator demonstra o seu total repúdio pelo atual conflito militar, apoiando as sanções económicas que têm vindo a ser aplicadas desde o início da invasão da Ucrânia. Esta guerra já resultou em elevadas perdas humanas e materiais e obrigou a deslocações em massa de refugiados. Trata-se de uma situação dramática que nenhum europeu pensou voltar a viver e que deixará certamente marcas profundas durante muitos anos”, lê-se na mesma nota.

Perante a atual situação a empresa afirma que está a acompanhar em permanência a evolução do conflito, monitorizando o seu impacto nos mercados onde atua, bem como em toda a cadeia de abastecimento.

De acordo com a Navigator, que tem o maior polo industrial em Setúbal, “não é possível estimar com razoável grau de confiança as eventuais consequências do atual conflito na atividade da empresa”, sendo que a “exposição direta aos mercados da Rússia, Ucrânia e Bielorrússia é menos de 1% da sua faturação”. Recorde-se que a Navigator exporta os seus produtos para 130 países.

Por outro lado, estima- que o “forte aumento dos custos de energia e, direta e indiretamente, dos custos de logística e de várias commodities terá um forte impacto em toda a indústria no espaço europeu, pressionando ainda mais a inflação o que penalizará a recuperação do crescimento económico”.

Contudo, segundo o comunicado, para a The Navigator Company “são as pessoas, a sua qualidade de vida e o futuro do planeta que nos inspiram e nos movem” e por isso, diariamente, vamos, como sempre fizemos, continuar a trabalhar para contribuir para um futuro coletivo melhor.