Confirmado primeiro caso de coronavírus no Hospital S. Bernardo, em Setúbal – ÚLTIMA HORA

É o primeiro caso registado na unidade de Setúbal, diagnosticado com uma pneumonia grave, de riscos acrescidos. O número de suspeitos aumentou drasticamente nos últimos dias.

O Hospital S. Bernardo registou, hoje, o primeiro caso confirmado de coronavírus, disse ao Semmais Digital, uma fonte hospitalar. O doente está diagnosticado com uma “pneumonia grave, com riscos acrescidos” e está isolado no Piso 5 daquela unidade.

Desde sexta-feira que esta unidade do Centro Hospitalar de Setúbal, ainda considerado de terceira linha, tem registado “uma gigantesca afluência” de doentes com sintomas ligados ao Covid-19, sendo que, segundo as fontes do Semmais Digital, “há sinais de evidência de difusão na comunidade fora das origens identificadas, o que significa grande possibilidade de propagação explosiva na nossa área de influência”.

Como seria de supor, a maior parte dos suspeitos que estão a ser acompanhados e monitorizados no S. Bernardo, apresentam doenças respiratórias. “Da avaliação médica que fazemos dos suspeitos, as situações são muito críticas e a situação é, nesta fase, alarmante”, confessou uma médica internista do S. Bernardo. Entre os suspeitos, segundo os clínicos contatados pela Semmais Digital, “há problemas respiratórios agudos, bronquites e outros sintomas mais graves ainda por determinar em absoluto”.

A administração hospitalar concluiu hoje as obras do espaço frente às urgências, antes usado pela Unidade da Dor e para a triagem complementar de doentes com pulseira verde, os menos urgentes. “A ideia é evitar que utentes com estas patologias evitem contacto com os outros que se apresentam com situações diversas e indeterminadas”, explicaram as nossas fontes.

Os internamentos de isolamento estão a ser operados no piso superior da unidade, Piso 5, onde funciona a infecciologia e pneumonia, que foi também alvo de intervenções, de modo a dotá-lo das condições adequadas para fazer face à situação, considerada “muito grave e vertiginosa”. Com excepção das tuberculoses multi resistentes com isolamento, que vão ficar em isolamento neste piso superior, todos os outros doentes foram deslocados para especialidades cirúrgicas, sendo que as cirurgias não urgentes foram canceladas para dar espaço a estas mudanças.

A funcionar está também um Gabinete de Crise e equipas reforçadas, por especialidade, nomeadamente profissionais de medicina interna, que estão a acompanhar a situação a par e passo. Os responsáveis do Hospital aconselham as pessoas a não se deslocarem às urgências e, no caso de se verificarem sintomas descritos pelas autoridades de saúde, agirem de acordo com as recomendações da Direcção-Geral de Saúde, usando, nomeadamente as linhas telefónicas da Saúde Pública, “Saúde 24 – 808 24 24 24”.