Governo toma medidas de apoio à comunidade cigana em bairro de Moura

O Governo desenvolveu um conjunto de medidas para apoiar na resposta à pandemia da Covid-19 na comunidade cigana no bairro Espadanal, em Moura, onde foram detetados 33 casos positivos.

Em comunicado, o Governo explica que na sequência da realização de testes de despiste à Covid-19, foram confirmados 33 casos no bairro onde reside uma comunidade cigana, o que motivou a intervenção do executivo, nomeadamente da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira, o secretário Estado da Saúde, António Sales, e o secretário Estado Adjunto e da Defesa Nacional, Jorge Seguro Sanches.

O bairro Espadanal já foi desinfetado e as Forças de Segurança, em articulação com a Autoridade Regional de Saúde (ARS) estão a assegurar as necessidades de alimentação, medicação, receituários e cuidados de saúde enquanto as famílias estiverem em confinamento.

Em comunicado, o executivo adianta ainda que as forças de segurança estão presentes nas zonas de acesso ao bairro, de forma a impedir a saída de pessoas.

Na sexta-feira, o município informou que os testes aos moradores foram feitos pelos serviços de saúde depois de um dos membros da comunidade ter testado positivo. Entretanto, o coordenador do Serviço Municipal de Proteção Civil confirmou, este sábado, que os 59 moradores no Espadanal foram todos testados para o novo coronavírus e alguns ainda aguardam os resultados.

“Todos os residentes no Espadanal têm indicações para confinamento obrigatório, não podendo sair do local, e estão a ser vigiados pela GNR”, acrescentou Diogo Saraiva.

Além do bairro em Moura, o Governo anunciou também medidas de prevenção no bairro das Pedreiras, em Beja, onde se vai realizar uma ação de desinfeção, durante a próxima semana, com a colaboração da União de Freguesias de Salvador e Santa Maira da Feira.

Os apoios às populações ciganas de Moura e Beja estão a ser prestados em articulação com o Alto Comissariado para as Migrações (ACM), a Administração Regional de Saúde do Alentejo (ARS), e as câmaras municipais de Moura e Beja.

Na mesma nota, o executivo assegura que se vai manter atento às necessidades das populações mais vulneráveis perante a pandemia, entre as quais algumas comunidades ciganas.