Mês das Alterações Climáticas está de regresso às escolas de Setúbal

O programa de atividades dinamizado pela câmara sadina, nos agrupamentos de escolas do concelho, está de regresso após interrupção motivada pelas medidas de contenção da pandemia.

A iniciativa, implementada no âmbito do projeto “Comunicação e Sensibilização em Cenários de Risco Associados às Alterações Climáticas”, com financiamento comunitário do PO SEUR, através do Portugal 2020, teve início em janeiro do ano passado.

A pintura de murais nas escolas Básica de Aranguez e Básica e Secundária Lima de Freitas, e a entrega de kits de emergência no Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama e na Escola Básica e Secundária Lima de Freitas, foram algumas das iniciativas realizadas no âmbito deste projeto que, devido ao encerramento das unidades de ensino, em março de 2020, teve de ser interrompido.

Após necessárias adaptações, nomeadamente a substituição de todas as ações presenciais inicialmente previstas, o projeto regressou em março, com a pintura do mural “Perigo da perda da biodiversidade”, igualmente pelo artista Smile, na Escola Básica de Azeitão, “para partilhar um conjunto de informação relativamente ao conhecimento científico sobre os efeitos das alterações climáticas à escala local”, sublinha a autarquia em comunicado.

Além disso, o município de Setúbal desafiou os professores e alunos dos 2.º e 3.º anos de escolaridade a desenvolverem trabalhos com base nos conteúdos temáticos presentes no portal Setúbal em Bom Ambiente, acessível em www.setubalambiente.pt, através do visionamento do filme “Setúbal adapta-se às Alterações Climáticas” – tinyurl.com/xay9mbe – ou de uma aula do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território sobre os efeitos das alterações climáticas à escala local – tinyurl.com/yj9hz4vx.

O “Mês dos Riscos e das Alterações Climáticas” inclui ainda a presença na escola-sede do Agrupamento de Escolas de Azeitão do novo módulo temático da exposição “Riscos: Aprender e Evitar”, integralmente subordinado à temática das alterações climáticas, da escala global à escala local.

Outra novidade no projeto, e de acordo com a câmara municipal, é o “envolvimento dos alunos” do 1.º ciclo do ensino básico com o “mais recente membro da equipa da Proteção Civil Municipal de Setúbal, o Salvador, ou Sal para os amigos, uma raposa vermelha” da Serra da Arrábida.

O Sal chega a Azeitão no decorrer desta semana, e posteriormente a todos os estabelecimentos de ensino do concelho, em formato vídeo, para acompanhar a entrega de um Kit de Emergência em Proteção Civil aos alunos dos 3.º e 4.º anos do ensino primário.

A programação do “Mês dos Riscos e Alterações Climáticas” deve chegar aos Agrupamentos de Escolas Luísa Todi, Bocage e Ordem de Sant’lago até ao final do ano letivo, caso a pandemia de Covid-19 assim o permita.

A iniciativa, implementado pelo Serviço Municipal de Proteção Civil e Bombeiros de Setúbal, conta com o envolvimento do Centro Hospitalar de Setúbal, do Agrupamento de Centros de Saúde Arrábida, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, do Instituto Ricardo Jorge – Polo de Águas de Moura e da ENA – Agência de Energia e Ambiente da Arrábida.

Este programa do município, que converge com a Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas para gerar participação, divulgação e sensibilização junto da população do concelho sobre a problemática, inclui os contributos da Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal e da Polícia Marítima.